Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Outra Face

Diz-me quem eu sou, dir-te-ei quem és.

Diz-me quem eu sou, dir-te-ei quem és.

A Outra Face

09
Abr21

027 - Em falta

Diana Amélia

Queria ir mais abaixo, mas o fundo já lá vai.

Quiz ir pra fora da jaula mas o que chegou?

Queria saber qual a melhor marca, que marca o arranco do destranco enredado.

Fala a vaidade que palavras as tenha sem marcar.

Mija fino o faz tá bem que ajuda o que vem.

São falavras dadas, e vendidas vão se ter.

Porque a vida é fodida e é preciso estender.

07
Abr21

025 - Outro

Diana Amélia

Podias ter sido outro, mas foste tu.

Queria puder falar-te mas ignorar também vale.

Gostava de querer ouvir-te. Foge figura.

Peca comigo, que amo em ti.

Vales pouco, infindável inconformismo.

Vales o que possem cá tu.

Vi gu ta pi to pé.

30
Mar21

023 - Cumplicidades

Diana Amélia

Nem sempre, foi assim.
Gastavam dinheiro nos produtos de qualidade. Naqueles que queriam, sendo que faziam o que lhes dava na real gana.
As galinhas, outrora livres nos campos privados, quisessem encontrar-se em aviários amontoadas.
Querem comer ovos, alimenta os teus soldados para que os criem desnatados.
Os porcos, outrora goludões e saudáveis, quiseram partilhá-los em negócios de suspeitar.
Pois que se queiras enjaular individualmente.
Pois que galinha combina com ervilhas, ovos com sonhos.
Porco combina com alimento robusto e negócios combina com ardente.
Mângulo combina com trigonometria, como as mamas daquela deusa triste.
Sentada na poltrona queira desvendar.
Quisesse não ter sido o que agora pode dar.
Não fossem bandido dos ranchos cristões.
Filha da lei é sempre um prazer.
Poesia esta tão educada.
Vimência cristalina no interior do enredar.
Ia sumindo como um copo meio cheio.
Respeitava a cortina que queria tocar.
Não.
Vai.
Toque.
Breve.
Justo.

29
Mar21

022 - Perdão

Diana Amélia
Sabes o que foi dito.

Ela importa-se de repetir.

Ela foi diagnosticada com psicose.

Não sabia porque tinha chegado ali.

Tinha o dom de adivinhar coisas, ser persistente (um pouco desarrumada), mas consciente do que queria desconhecer.

Era ela que aparecia na tv, fotografada por artistas bem alimentados.

Queria ir mais além.

Após períodos de insucesso no feedbak, sabia que não tinha nascido para trabalhar.

Tinha desistido de lutar.

Sabia que não estava a ser bem interpretada mas era um risco falar demais.

Foi o que ela irritadamente fez e no fundo do poço que se encontrou.

Encontrava-se aí porque carecia de mimo, estima, respeito, empatia, tolerância e respeito interior.

A fome dela era tal que não se ouvia em Lisboa (piada analítica).

A matemática era uma matéria prioritária para si, o business analytics e a informática forense.

Não podia continuar a suportar cães.

Se gatos houvesses eram concerteza noutro lugar.

Foi então que se deu a mudança de casa, de uma zona confortável para o topo de uma montanha.

O irmão Tovandra não queria mudar.

O que o irmão fez por ela.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub